Egresso de doutorado cria uma nova tecnologia de blockchain a partir de sua tese de doutorado

sex, 13/09/2019
Português, Brasil

Tecnologias em evolução constante, mercado de criptomoedas, novos negócios, mundo tokenizado foram alguns dos pontos destacados durante o lançamento da Hathor Network, criada a partir de tese de doutorado do egresso Marcelo Brogliatto, em evento realizado no dia 20 de agosto, no prédio sede da FGV.

 

O evento foi moderado por Caio Ramalho, coordenador do FGVnest e Alexandre Barbosa da ITS. A mesa de debates foi composta por Marcelo Brogliato CEO da Hathor Network, Layla Mendes, egressa de mestrado e doutoranda da FGV EBAPE, co-fundadora da Hathor, Alexandre Linhares professor da FGV EBAPE, Flávio Codeço professor da FGV EMAP, Vanessa Almeida do BNDES, Raphael Lima da Cubo e Minds/Trust, Fernando Carvalho da QR Capital, Paulo Queiroz da Anjos do Brasil e JuryVox e Carlos Maior Almeida da Ipanema Ventures.

 

A startup, criada a partir da tese de doutorado de Marcelo Brogliato, sob orientação do professor da FGV Ebape Alexandre Linhares – e que concorre como à melhor tese em administração no Brasil pelo Prêmio CAPES - com tecnologia blockchain, traz uma plataforma escalável onde qualquer criança de 13 anos pode criar seu próprio token.  Segundo Brogliato, a plataforma – desenvolvida do zero na FGV, com tecnologia inovadora e sem taxas, viabiliza a sua utilização e a criação de inúmeros tokens, possibilita o aumento na liquidez dos negócios, a oferta de investidores, assim como a capitalização das empresas.

 

Uma das questões que são avaliadas nas plataformas existentes é como processar grandes volumes de transações por segundo. De acordo com Marcelo, a Bitcoin processa, por exemplo, 7 transações por segundo, a Ethereum, 20 por segundo, o Paypal 193 por segundo. A Hathor, com seu time atual mais enxuto, consegue processar 200 transações e, desta forma, possui condições técnicas para ter a Paypal como usuária de sua tecnologia, assim como possui potencial tecnológico para atender a visa que, hoje, processa 1.800 transações por segundo, bastando uma readequação na engenharia do projeto.

 

A Hathor se especializou em tokenização e, tira a complexidade da tecnologia, para apresentar ao usuário/empresa a facilidade em criar tokens, clicando em apenas alguns botões. Desta forma, qualquer pessoa pode criar tokens e identificar quais os melhores modelos de negócios em seu mercado de atuação.

 

Para demonstrar a facilidade de utilização, os participantes do evento foram convidados a instalar o wallet da Hathor, em seus celulares, e ganharam tokens para trocar por taças de champagne. Para utilizá-los, era necessário fazer a leitura digital do Qr Code estampado na blusa de um garçom e enviar um token para ter direito a uma taça de champagne.

 

A Hathor em sua primeira rodada de investimento, captou U$ 600 mil dólares (cerca de 2,4 milhões de reais) e já se prepara para uma nova rodada para avançar outras etapas do negócio.

 

Fotos do evento